(12) 3904-3999 SJC: (12) 3904-3995 | Demais regiões: (12) 3904-3998
Antecipação de receita com a... ...significa:
tranquilidade para o seu condomínio!
Deixar a cobrança com a... ...é:
cuidar melhor do lugar onde se vive!
A equipe especializada em cobrança da... reduz
a indadimplência para todos viverem melhor!
Contar com os serviços da... ...é:
contar com experiência, parceria e transparência
o tempo todo!

Sindicância feminina – O empoderamento da mulher síndica

Muito se tem falado do empoderamento feminino, através de palestras, mentorias, imersões, artigos em revistas, grupos de whatsapp, enfim nos mais diversos canais de comunicações que atualmente dispomos. 

Mas, a pergunta que se faz é COMO SE DÁ O EMPODERAMENTO DA MULHER, EM ESPECIAL DA MULHER SÍNDICA? Sim, estamos falando do exercício de uma atividade que por muitos anos foi exercida por homens, uma vez que envolvem tratativas com fornecedores, prestadores de serviço, colaboradores, enfim um ambiente predominantemente masculino.

Não é segredo para ninguém que a mulher por natureza desenvolve algumas habilidades das quais no ambiente coorporativo são muito bem-vindas, entre elas:

Comunicadoras

As mulheres são melhores ouvintes que os homens, e essa é exatamente a habilidade mais importante para gerenciar a vida no condomínio.  Essa competência é muito desejada no exercício da sindicância, uma vez que permite que haja uma interação entre os condôminos, prestadores de serviços e colaboradores no geral. Ser uma síndica que saiba se comunicar e ouvir acarretará uma confiança e credibilidade maior no exercício da função.

Construtoras

As mulheres são melhores construtoras de consenso. A sindicância é exercida através do aprendizado, da liderança e acima de tudo uma influência coletiva. Uma sindicância bem exercida leva mais condôminos a participar das assembleias, gera uma empatia coletiva, construindo um ambiente harmônico.

Éticas

As mulheres praticam um senso mais latente de ética no dia a dia, através de sua postura e posicionamento. A mulher síndica tende a levar essa bagagem pessoal ao exercício da atividade, mediante análise criteriosa de orçamentos, elaboração de contratos até a aplicação de penalidades quando necessária.

Pacientes

As mulheres são mais pacientes tanto com funcionários como com colaboradores, sendo menos propensas a tomar decisões precipitadas, estando mais dispostas a esperar mais tempo por um resultado desejado.

Apaixonadas

De acordo com Jay Forte, autor de Fire Up, as mulheres são mais astutas em saber como ativar a paixão em seus funcionários.  No exercício da sindicância, essa qualidade gera lealdade, uma vez que motiva funcionários, colaboradores e cativa condôminosAs mulheres são construtoras de comunidades e construtoras de consenso, o que é fundamental no exercício da sindicância.

Conciliadoras

Uma das características que destaco de grande valia no exercício da sindicância é o poder de conciliação. Sabemos que demandas via judicial além de serem onerosas são desgastantes e consomem muito tempo. A conciliação é uma ferramenta efetiva na solução de problemas corriqueiros nos quais a falta de comunicação prepondera, e por isso as mulheres são excelentes conciliadoras.

A mulher síndica deve ter confiança no exercício da atividade a ser desempenhada e firme no seu posicionamento, na sua postura, tanto na discussão de orçamentos como nas diversas decisões a serem tomadas no dia a dia, sem perder a doçura inerente de sua natureza.

As mulheres no geral e não somente a mulher síndica deve se estabelecer no mercado de trabalho calcadas nos princípios éticos, morais, legais e acima de tudo intelectuais, pois somente esses valores vão manter a mulher no mercado de trabalho, seja na área que for.

Seja destemida, mostre seu talento por meio do exercício de um trabalho sério e comprometido, e sempre empodere outras mulheres, pois pela sororidade estaremos cada vez mais engajadas na sociedade em busca de nossos direitos e espaço.

Não estamos aqui para travar uma luta contra homens, mas sim unir-se a eles, buscar nos homens a expertise já alcançada num ramo que até a poucos anos era exercido por eles, trocar ideias, sugerir soluções, praticar networking, enfim homens e mulheres não devem travar batalhas nem no trabalho nem na vida, porque em batalhas somente um vence, mas quando há união ambos vencem.

Existem excelentes síndicos e síndicas, e independente do gênero, cor, religião, o importante no desempenho da função de gestão condominial é ser uma pessoa de boa índole, honesta, competente, compromissada, preocupada com a ética, com a transparência e comprometida com uma gestão eficiente das contas condominiais.

Portanto, minha proposta é para que mulheres e homens deem as mãos, e então tenho certeza de que o empoderamento tanto da mulher quanto do homem será alcançado.

Escrito por:

TÁRSIA SMEHA QUILIÃO – Advogada e palestrante, OAB SC 25376A | OAB RS 57343

Formada em Direito pela Universidade Luterana do Brasil em 2002; Pós Graduada  em Direito Ambiental pela UFRGS em 2004; Assessora da Procuradoria Jurídica do MPRS; Procuradora Jurídica do INMETRO; MBA Gestão de Negócios pelo CESUSC em 2010; Governança Coorporativa e Compliance pela FGV; Atuante na área condominial desde 2010, militante na área condominial e prestadora de consultoria na área para diversos condomínios, administradoras, construtoras e empresas do ramo. Colunista no Jornal dos Condomínios SC; Proprietária da empresa SC COBRANCAS; Criadora do BLOG INFOSINDICO; Conselheira do CEU EMPRESARIAL.