(12) 3904-3999 SJC: (12) 3904-3995 | Demais regiões: (12) 3904-3998
Antecipação de receita com a... ...significa:
tranquilidade para o seu condomínio!
Deixar a cobrança com a... ...é:
cuidar melhor do lugar onde se vive!
A equipe especializada em cobrança da... reduz
a indadimplência para todos viverem melhor!
Contar com os serviços da... ...é:
contar com experiência, parceria e transparência
o tempo todo!

Encomendas merecem atenção especial durante a pandemia

Funcionários e moradores devem estar cientes das medidas de prevenção contra a Covid-19

A pandemia do novo coronavírus mudou práticas comuns em condomínios. Receber uma encomenda, por exemplo, requer mais atenção com as embalagens, limpeza de superfícies e higienização dos itens e das mãos.

“É necessário seguir as orientações das autoridades”, afirma o advogado Alexandre Callé.

Apesar de os decretos não se aplicarem ao condomínio, pode-se adotar medidas de segurança e saúde.
Há síndicos que pedem para o condômino utilizar máscaras para buscar encomendas ou que não permitem a entrada de entregadores sem o equipamentos de proteção individual. Além disso, todos os funcionários do condomínio devem receber e utilizar itens de proteção, como as máscaras.

O advogado João Paulo Rossi Paschoal afirma que as entregas já eram motivo de discussões nos condomínios. Alguns adotaram medidas de segurança, como instalar grades e cancelas, para receber encomendas sem que o entregador circule pelo prédio, além de protocolos de segurança para receber as mercadorias e registrá-las.

Os advogados ressaltam que a comunicação é muito importante. Neste momento, o síndico pode reforçar os avisos para funcionários e condôminos sobre como receber cada tipo de entrega e as medidas de prevenção, como o uso de máscara e álcool 70%.

Aldo Castro, 43, é consultor na Prestta, que administra condomínios, e síndico profissional. Com a pandemia, ele conta que o volume de entregas aumentou em uma média de quatro vezes nos 12 locais em que atua. Neles há álcool em gel e placas orientando sobre o uso na área própria para receber encomendas. “A segurança não pode ser deixada de lado”, ressalta.

Em um prédio com 300 unidades, situado no Brooklyn (zona sul de SP), o volume fez com que uma pessoa fosse contratada para cuidar das encomendas e levá-las para a porta de quem não pode sair de casa.

Fonte: Agora | Folha de S. Paulo